Fórum para discussão de todo o universo Geek: Seriados, filmes, quadrinhos, livros, games e muito mais.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

 » Universo Geek » Filmes » 

Clube do Filme: Oslo, 31 de Agosto

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Clube do Filme: Oslo, 31 de Agosto em Dom Jun 12 2016, 14:08

Odassacarf


O filme mostra um dia na vida de Anders, um jovem viciado em reabilitação, que consegue uma breve licença para deixar seu apartamento a fim de comparecer a uma entrevista de emprego e encontrar velhos amigos em Oslo.

Dirigido por: Joachim Trier.



Página do Filmow

Me informe caso não encontre o filme.

Membros:
@Cerberus: 12/06/2016 | Oslo August 31st
@Chris: 19/06/2016
@Dwight: 26/06/2016
@JesusMonroe: 03/07/2016
@Nilsu: 10/07/2016
@Gulielmus: 17/07/2016
@Prime: 24/07/2016

Assistam o filme e comentem!



Ver perfil do usuário

2 Re: Clube do Filme: Oslo, 31 de Agosto em Seg Jun 13 2016, 02:25

Prime

Spoiler:
No geral, sou bem empático com personagens (com tudo, na verdade), mas nesse filme senti tudo o que protagonista sentia, literalmente. Nas cenas do passeio com o melhor amigo (Thomas), pude me relacionar com o que era dito, ver e sentir o quão sem saída estava Anders, quão sem volta seu caminho era. A fotografia é bonita, e achei interessante que no final é refeito todo o trajeto do protagonista em cortes: da casa até de volta para o apartamento, de onde começou, tudo sendo mostrado por cima de um silêncio triste ─ exemplificando o vazio que era sua vida, e como tudo se repetiria dolorosamente caso não tivesse terminado assim. Acho que todos temos um pouco de Anders dentro de nós.



Ver perfil do usuário

3 Re: Clube do Filme: Oslo, 31 de Agosto em Seg Jun 13 2016, 04:34

Gulielmus

Spoiler:
Porra, começou bem ein... Ben Affleck Boladão 
 
Achei deprimente, o que, nesse caso, pode ser considerando um grande elogio. O filme explora o tema depressão de uma forma bem transparente e realista, sem nem precisar se prender muito ao alicerce do problema – nesse caso, as drogas –, narrando mais o desdobrar do problema. Senti uma sutileza bem grande na forma como as ideias são desenvolvidas, seja nos diálogos ou em cenas silenciosas, o que cria uma puta identificação pra quem vive, ou já viveu em situações semelhantes, o que deve acabar prejudicando a percepção do filme para quem não conseguir se identificar, cagando completamente o entendimento. Não é um filme para todos, mas executa sua proposta muito bem. 
 
O final me foi angustiante, principalmente porque senti tudo o que tinha rolado se encaixando naquela conclusão. Até passou pela minha cabeça que o Anders talvez tivesse tentado enxergar alguma esperança de recomeço pra ele, mas que falhou. Aquela sequência final e silenciosa foi foda, bem reflexiva pra mim.



 

Ver perfil do usuário

4 Re: Clube do Filme: Oslo, 31 de Agosto em Qui Jun 16 2016, 14:36

Dwight

Porra bicho, começou pesado. Vou copiar o que comentei no filmow.

Spoiler:
O filme é simples, mas alcança a perfeição na sua simplicidade. Todo mundo, cedo ou tarde, vai alcançar o fundo do poço, é inelutável; e o Anders representa esse momento que todos nós, - uns mais, outros menos, - inevitavelmente passaremos. Solidão, insegurança, a falta de um motivo para ser. É rotineiro, cotidiano, não empurra um monte de citação bonita cheia de filosofia barata, é simplesmente comum como a vida.

A primeira grande interação dele fora da rehab, com o Thomas, mostra tudo que ele deveria ser pelos padrões: um cara de 30 e poucos anos, pai e empregado, comprimido pelo trabalho e pressões da vida, com filhos ranhentos e uma mulher que não transa, "que se senta e finge que está se divertindo", onde o maior entretenimento é ficar em casa jogando Battlefield. Uma vida patética que, para ele, não é suficiente, e por isso ele não cabe em lugar nenhum.

Fiquei perdido por um bom tempo na questão da Iselin, a ex-namorada, mas entendi que era algo que ele não conseguia deixar para trás. O amigo dele insiste que com ela era diferente, que ele a amava, mas ele nega, diz que não representa mais nada pra ele e que foi nesse momento que começou a se drogar. Mas mesmo assim liga constantemente para ela, incapaz de recomeçar.

E não é só ele que é incapaz, da mulher do melhor amigo ao drug dealer, a primeira coisa que todos perguntam é se ele está limpo, é um fantasma que vai acompanhar ele pra sempre, inclusive com as pessoas que nem o conheciam vide a gostosinha 10/10 e a entrevista de emprego, o passado é importante e a sociedade é insensível.

"'Vai passar, tudo se arranjará...' só que não é verdade." é de longe a melhor cena do filme, e resume tudo que ele sente ali. Ele não pertence a lugar nenhum, é um estranho até entre amigos, não tem mais família, não se encaixa na quase-perfeita Oslo que o filme tanto descreve. E ele precisa dos vícios para preencher, - ou esquecer - o vazio que enfrenta. Em primeiro momento achei que, apesar de não glamorizar, o filme também não deixava exposta as mazelas desses vícios, podendo passar até uma imagem de libertação neles, mas não é essa a doença que ele retrata. A depressão, melancólica e sorrateira, é muito bem representada, tirando a vontade de viver onde não se pertence e apresentando uma falta de sentido em existir.

Quando ele conta que cogita se matar, e se o fizer é uma escolha dele, a primeira coisa que o amigo faz é tentar fazer ele sentir culpa, falando dos pais, e isso é uma resposta muito natural de qualquer pessoa nessa situação. O final não podia ser positivo, ele não podia ser feliz e destoar do que foi apresentando nos 90 minutos anteriores, precisava ser real. Ele não caiu no final, porque sempre esteve no fundo. "Se alguém quer se autodestruir, que lhe seja permitido", e por mais que ele próprio saiba que retroceder não é a solução, não há nada mais lá para ele.

Ator principal sensacional, dei 4.5/5.



Ver perfil do usuário http://filmow.com/usuario/lamb

5 Re: Clube do Filme: Oslo, 31 de Agosto em Sab Jun 18 2016, 07:16

Jesus Monroe

Spoiler:
Esperava algo diferente, mas fiquei satisfeito com o resultado final. Por mais que seja um filme sobre um jovem em reabilitação, as drogas durante o filme ficam em segundo plano, deixando toda a essência do longa para a solidão e a total falta de esperança de futuro do protagonista, fazendo pouco uso de dramalhices e com ótimas metáforas sobre a vida.



Ver perfil do usuário https://www.facebook.com/J.WalkingDead

6 Re: Clube do Filme: Oslo, 31 de Agosto em Sab Jun 18 2016, 14:31

Odassacarf

Atualização no cronograma, pois o Chris quer ser o último:

Membros:
@Cerberus: 12/06/2016 | Oslo August 31st
@Dwight: 19/06/2016
@JesusMonroe: 26/06/2016
@Nilsu: 03/07/2016
@Gulielmus: 10/07/2016
@Prime: 17/07/2016
@Chris: 24/07/2016



Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado



Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum