Fórum para discussão de todo o universo Geek: Seriados, filmes, quadrinhos, livros, games e muito mais.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

 » Geral » Taverna » Interatividade - Jogos & RPGs » RPG » 

#Mesa 003 - Fire and Blood

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6 ... 20 ... 35  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 5 de 35]

101 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Seg Jan 11 2016, 23:06

Luckwearer

Olhou para seus homens, mandando-os voltarem a seus afazeres.

- Ovo? Eu tenho dois dentro da calça e um enorme pau, mas você não parece uma mulher interessada nisso e muito menos experiente em negociação. Que diabos você é, uma mercenária? Só assim para persistir em troca quando eu já disse que não trocamos nenhum artefato raro.




@Josh escreveu:- Brynn, tenha bom senso - falou sem tirar os olhos dos dois que o encaravam. - Se eu matasse inocentes, esses não iriam atacar você e a Serena. Em alguns momentos, opiniões erradas podem ser mortais - não esperou que o Targaryen acreditasse nele, mas era melhor falar algo. Silenciar-se poderia ser um consentimento.

Avançou sem esperar resposta, com um ataque feroz no primeiro oponente, que o fez largar a espada. Em seguida, Kyan cortou-lhe a garganta rapidamente, já partindo para o segundo. O inimigo defendeu seu golpe vertical de cima para baixo, o que não impediu o homem de roupas negras se aproximar e socar seu rosto com a mão esquerda, o deixando tonto e posteriormente permitindo que fosse espetado no coração pela espada do que chamava de Justiceiro.

Você precisa tirar 18 para matar o primeiro.

http://prntscr.com/9ozel8 + 4


O primeiro veio furioso, sedento por sangue, Kyan avançou com um ataque feroz que decepou sua mão e num giro sua cabeça.

Você precisa tirar 7 para matar o segundo.

http://prntscr.com/9ozf4o + 4


Socou o rosto do homem quebrando alguns dentes e seu nariz, estocando seu peito e matando-o. Virou-se para ver como estavam os outros dois e viu o Targaryen dirigindo-se para janela, seus dois oponentes jaziam no chão há minutos, já a garota limpava sua espada na roupa do cadáver, indo em direção ao irmão depois.

- A questão aqui, prisioneiro, não é crer em nenhum dos lados, mas sim minha idiotice de trazer alguém que tentou assassinar os Freets para uma cidade populosa como essa. Mas o que eu podia fazer, eu imaginei que você era alguma pessoa vingativa a ponto de ser estupido, nunca imaginei que você seria um dos malucos que paga de justiceiro num continente de estupro e assassinato - e pulou pela janela, algo que Serena fez em seguida e Kyan seguiu.

Vocês precisam tirar 6 para fugir do grupo de homens.

Brynn: http://prntscr.com/9ozhf6 + 3
Serena: http://prntscr.com/9ozht0 + 2
Kyan: http://prntscr.com/9ozhwu + 2

Os três olharam para trás vendo-os espalhar pelo grupo que haviam saído pela janela, correram para multidão que parecia abrir o caminho falhando o plano de camuflar-se. Serena esguia e rápida como uma gata atravessou as ruas e lojas, pulando e derrapando sob obstáculos, os dois homens não negaram a surpresa ao vê-la quase sumindo, muito a frente deles. O dragão que não gostava do companheiro ao lado e o justiceiro que não parecia se preocupar com sua opinião continuaram correndo, algumas vezes vendo o vulto da garota já sabendo que ela com certeza não seria pega, continuaram longe dos bastardos por muito tempo até que um deles brotou numa virada de esquina, pulando em cima de Brynn que conseguiu afastar a adaga nas mãos inimigas de seu rosto. Ágil, o admirador de estrelas enfiou sua espada na cabeça do perseguidor, borrifando sangue no rosto barbudo do Targaryen, estendeu sua mão e ele a aceitou sem hesitação. Voltaram para fuga, finalmente encontrando algum lugar seguro para esconder-se, era atrás de um pequeno jardim ao lado de uma taverna fechada, pelas plantas viram o pai vingativo xingando alto no meio da rua e perguntando a todos ali se os viram, mas ninguém pareceu querer se meter e momentos depois foram obrigados a sair dali.

- Bem, parece que o prisioneiro sabe fazer algo além de foder os outros - murmurou Brynn, resfolegando.

Esperaram mais um pouco, recuperando todo fôlego gasto anteriormente. Levantaram-se para sair dali, mas Kyan agarrou o homem de cabelos azuis, jogando-lhe de volta para o jardim.

- Olhe - apontou para um homem carregando um baú, cercado por mais que duas dúzias de homens, interrompiam o movimento da rua de tantas pessoas andando juntas. - É ele, o comandante dos Skullhead.

Brynn notou que nenhum deles usava máscara, pareciam ter abandonado a tradição devido o abandono do nome Skullhead. Cerrou os olhos para ter certeza que sua visão mostrava o certo, e de fato era o baú, provavelmente com o ovo de dragão dentro. Não andavam para a saída da cidade, pareciam adentrar cada vez mais.

- Prisioneiro, precisamos nos juntar com o restante de nossos companheiros urgentemente. Tenho um mal pressentimento que eles ainda não se encontraram com os Exploradores.





Ver perfil do usuário

102 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Seg Jan 11 2016, 23:32

Babi

Assim que Talia sentou-se com Garren, o comerciante olhou para seus homens, mandando-os voltarem a seus afazeres.

- Ovo? Eu tenho dois dentro da calça e um enorme pau, mas você não parece uma mulher interessada nisso e muito menos experiente em negociação. Que diabos você é, uma mercenária? Só assim para persistir em troca quando eu já disse que não trocamos nenhum artefato raro. - Disse Dorath, com um olhar de dúvida.

- Vai a merda, eu tenho cara de mercenária por acaso? Eu tenho procurado por toda Volantis atrás desse ovo que estão comentando por todo lugar. Ouvimos que estaria com você, viemos oferecer o que for necessário por ele. - olhou pra ele e deu um suspiro - Estávamos dispostos a oferecer o que fosse preciso, mas me parece que você não vai ceder. É uma pena, minha mansão ficaria linda com esse artefato. - Deu um pequeno sorriso de canto para ele esperando alguma resposta.

Ver perfil do usuário

103 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Seg Jan 11 2016, 23:56

Luckwearer

- Bem, eu não o tenho e mesmo que tivesse não entregaria, se vale tanto. Foi bom ver uma beleza em meio a tanta feiura, apesar da burrice, mas já deu, adeus senhorita, caso mude de ideia e queira foder, estou aqui para isso.

Assoviou, chamando um dos guardas para levá-los dali e levantou-se para ir pro seu quarto.





Ver perfil do usuário

104 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 01:05

Prime

Era a primeira visita do Stark na cidade. Por debaixo do capuz, observava a vida dos comerciantes, usufruindo de suas lábias para seduzir os clientes. Trocas de olhares não eram desviadas, mas preferia não encarar por muito tempo. Fantasiava sobre o quão acharia suspeito uma fileira de pessoas encapuzadas perambulando por ali.

─ Eu, o prisioneiro e Serena iremos para o porto. Garren, Talia e Droenn irão para o centro da cidade. Rhaego, Shaddan e Daven irão para Casa do Mercador ─ ditou Brynn quando se agruparam numa praça. Preservou-se sempre na retaguarda durante a caminhada, guiando-se por Garren e Talia. Suas mãos sempre descansavam unidas atrás e mirava cauteloso em tudo que podia enxergar: mesmo com os trajes deixando-os quase irreconhecíveis, problemas eram cogitáveis.

Esperava do tão falado Dorath um homem elegante e ostentador de bons modos. Ao pisarem na taverna, o comerciante aparentava deleitar-se com uma moça que saltou ao levar um tapa cheio de malícia na bunda. Quase toda a taverna levantou-se e cercou o trio com lâminas.

─ Olá, viajantes, me chamo Dorath. O que vocês querem? Desculpem a recepção nada amorosa, mas geralmente comerciantes vem aqui, não homens armados com o rosto escondido ─ disse, forçando simpatia. O Stark lançou olhadelas naqueles que apontavam suas armas. Garren mal pôde iniciar a apresentação e o comerciante o calou:
─ Não quero ouvir de você, não gosto de negros fedidos.
E eu não gosto de você. Encarou Dorath, curioso em saber quais seriam as próximas palavras. ─ Por que vocês não tiram esses capuzes? ─ o trio cedeu e Talia iniciou o diálogo, exigindo o fim daquele cerco. O homem os invitou para uma mesa distante e recusou a presença do negro com um outro insulto, mas a mercenária insistiu:
─ Ele vai conosco.
Dorath disparou uma longa espiada, focando nos seios da mulher. Droenn franziu a testa e alimentou seu silêncio recheado de desprezo.

A negociação corria não tão saudável.
─ Você fala desse tal artefato explicando que ele é muito raro e que possuímos... a senhora sabe que o objetivo de estarmos aqui é ficamos com eles, por isso todo dinheiro gasto nisso, trocar algo muito raro, como você disse, por outra coisa não é muito esperto. Sinto dizer, minha rainha da beleza, mas sua especialidade não é esse tipo de dialogo ─ olhou-a de baixo para cima. ─ Mas você poderia negociar outra coisa, não?
Ali, o comerciante acabava de matar a paciência do Stark e, supostamente, a de Garren, que se colocou de pé, exclamando, pronto para sacar a espada:
─ Olha o respeito ─ outra vez, a taverna se aquietou.
Droenn deslizou a mão na bainha e continuou sentado, de olhos em Dorath. Talia acalmou o negro e voltou para os negócios, que outra vez falharam. Entrar na conversa não seria sábio e poderia piorar as coisas. Ao que parecia, o comerciante de fato não possuía o ovo e, se possuía, estava se esforçando muito bem para conseguir uma foda com Talia.

─ Bem, eu não o tenho e mesmo que tivesse não entregaria, se vale tanto. Foi bom ver uma beleza em meio a tanta feiura, apesar da burrice, mas já deu, adeus senhorita, caso mude de ideia e queira foder, estou aqui para isso ─ Dorath deixou sua cadeira e assoviou para que seus guardas os levassem dali.
Os três se entreolharam, Talia certificou-se de que os dois saberiam o que ela faria em seguida. Ambos os rapazes sequer tentaram pará-la. Permitiu-se ao testemunho do fim daquele comerciante quando a mulher o seguiu e enterrou-lhe a espada. No mesmo instante, Droenn brandiu a sua, girou e estocou no homem mais próximo que segurava uma lâmina. Um outro inimigo armado de lança atreveu-se numa espetada errônea e cuspiu sangue ao sentir Netuno dentro de sua barriga. O Stark puxou a espada e olhou para trás, buscando Talia e Garren no meio das trocas de golpes. Desejou profundamente que a moça estivesse ciente das consequências, mas em momento algum arrependeu-se, o boca suja merecia uma.



Última edição por Prime em Ter Jan 12 2016, 01:19, editado 1 vez(es)


Ver perfil do usuário

105 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 01:12

Gulielmus

Despertou dos devaneios quando seus olhos pousaram sobre a chamativa cabeleira azul do conterrâneo, que o fez finalmente realizar o erro que cometeram. Resmungou para si mesmo, remexendo os ombros e deixando-se levar pelo nervosismo, enquanto a mão pousava sob a máscara. A retiraria se já não fosse tarde demais...

─ É inacreditável como o mundo é pequeno, não é? ─ encarou o homem que se pronunciou, abaixando a mão e a mergulhando até o pomo da espada. Reconheceu-o como Sardok, reparando nos familiares homens que também se juntavam a eles, cercando-os. Eram oito, um número que podia ser reduzido logo nos primeiros segundos da batalha.  ─ Eu pensei que nunca mais veria os dois heróis da guerra e... seja lá quem for esse loiro. ─ se culparia mais tarde sobre o erro que cometeu, agora precisava agir. Estudou a saída do local a procura da segurança, enquanto Sardok urrava e ordenava suas mortes, não se importando com as testemunhas. 

Raciocinou rápido sobre a situação e a posição dos oponentes, adiantando-se mentalmente ao que aconteceu logo em seguida. Daven sumiu de sua vista, sabiamente avançando nos inimigos de trás enquanto Rhaego liberava o caminho para a frente, mergulhando na dupla da direita que, até então, eram os mais próximos. Shaddan devolveu um olhar frio para Sardok que os fulminava com puro ódio, não parando de dar ordens, principalmente depois que o tyroshi avançou em sua direção, provavelmente para o confrontar diretamente. O mascarado, porém, interrompeu a corrida momentos antes de chocar-se contra a mesa que lhe bloqueava a passagem, virando-a contra um surpreendido Sardok, que nada pode fazer além de ser engolido pelo bloco maciço de madeira, espalhando um momentâneo pânico por entre seus homens. Os dois que estavam mais próximos avançaram contra o Blackhand, brandindo suas espadas para o alto.
O primeiro a se aproximar teve uma resposta imediata de Shaddan, o recebendo com uma ágil rasteira e o empurrando, em meio a queda, contra o próprio companheiro, que gastou o tempo que tinha para se esquivar para o lado, deixando-se vulnerável para a espada bravosi, que foi desembainhada no mesmo movimento usado para lhe abrir a jugular. Foi tudo tão rápido, que o segundo mal teve tempo de se botar de pé antes de receber uma estocada nas costas e regurgitar todo o sangue que inundou seus pulmões e traqueia. Vitorioso, o mercenário voltou sua atenção para os companheiros, querendo se certificar de suas vitórias antes de avançar em Sardok, que planejava tomar vivo. 



Última edição por Gulielmus em Ter Jan 12 2016, 18:09, editado 1 vez(es)


 

Ver perfil do usuário

106 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 02:19

Luckwearer

@Chris escreveu: - Se eu não sou importante, por que me matar? - reclama o arqueiro dando um salto na mesa que está a suas costas.

No movimento, ele degola o Skullhead que estava ali próximo com sua adaga. Puxando seu arco e flechando o outro oponente que estava na sua esquerda, dando um golpe certeiro em seu coração.

Você precisa tirar 17 para matar o primeiro.

http://prntscr.com/9p0y1l + 2


O loiro pula sobre a mesa rapidamente, deslizando sua pequena lâmina na garganta do homem mais perto.

Você precisa tirar 2 para matar o segundo.

http://prntscr.com/9p0zgc + 3


Coloca uma de suas setas no arco e a solta, acertando o coração do homem que pulava uma das cadeiras, rolando no chão morto e parando nos pés do arqueiro.

@Dwight escreveu:Rhaego correu para a direita, sentindo o vento em suas costas quando Daven saltou sobre a mesa. Girou sua arma sobre a cabeça e num movimento fluído com o braço, ─ no qual a lâmina mais parecia uma extensão de seu membro, ─ talhou o pescoço do primeiro oponente a sua direita. Rodopiou o arakh mais uma vez em suas mãos e cravou-o no ombro armado do segundo, ─ um golpe que seria pouco efetivo, ─ não fosse o movimento brusco do adversário para atacá-lo. Enquanto ele se movia, a lâmina virou e o peso do ferro fora o suficiente para deslocar o osso. O berro de dor só cessou quando a adaga na mão oposta do tyroshi trespassou, suavemente, através de sua garganta.

Você precisa tirar 4 para matar o primeiro.

http://prntscr.com/9p10fr + 4


Rhaego habilmente decepou o braço que carregava a espada do primeiro que atacou, cortando o outro antes que o reflexo o levasse para próximo do desaparecido, e por fim girou decepando-lhe a cabeça.

Você precisa tirar 7 para matar o segundo.

http://prntscr.com/9p112a + 4


Dividiu o ombro do segundo com a ajuda dele e poupou a dor gigantesca cortando-lhe a garganta.

@Gulielmus escreveu:O primeiro a se aproximar teve uma resposta imediata de Shaddan, o recebendo com uma ágil rasteira e o empurrando, em meio a queda, contra o próprio companheiro, que gastou o tempo que tinha para se esquivar para o lado, deixando-se vulnerável para a espada bravosi, que foi desembainhada no mesmo movimento usado para lhe abrir a jugular. Foi tudo tão rápido, que o segundo mal teve tempo de se botar de pé antes de receber uma estocada nas costas e regurgitar todo o sangue que inundou seus pulmões e traqueia. Vitorioso, o mercenário voltou sua atenção para os companheiros, querendo se certificar de suas vitórias antes de avançar em Sardok, que planejava tomar vivo.

Você precisa tirar 16 para matar o primeiro.

http://prntscr.com/9p144p + 4


Shaddan cortou-lhe a jugular, avançando para o próximo em seguida.

Você precisa tirar 14 para matar o segundo.

http://prntscr.com/9p14dw + 4


Retirou a espada das costas do segundo, deixando que morresse na agoniado.

- Filho da puta! Vou te matar! - gritou Sardok aproximando-se do mascarado.

Mapa: http://i.imgur.com/kauJcvL.png




Garren não acreditou no que aquela mulher havia feito, mesmo que o homem fosse um nojento maldito, matá-lo numa taverna cheia de seus homens fora a coisa mais idiota que poderia ter imaginado acontecer naquele dia. Sacou sua espada de vez, vendo-os sendo cercados pelos homens, contou e viu que no total eram quinze, grande maioria vindo pela frente e o restante pelas laterais, enquanto os comerciantes fugiam.

Mapa: http://i.imgur.com/K6tPiVJ.png





Ver perfil do usuário

107 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 15:54

Babi

- Bem, eu não o tenho e mesmo que tivesse não entregaria, se vale tanto. Foi bom ver uma beleza em meio a tanta feiura, apesar da burrice, mas já deu, adeus senhorita, caso mude de ideia e queira foder, estou aqui para isso.

Talia parou por um momento tentando digerir o que ele tinha acabado de dizer. Estava com raiva por aquele homem escroto te-la chamado de burra. Levantou se da mesa e olhou para os dois companheiros esperando que eles entendessem o recado. Deu de ombros e foi andando lentamente na direção do comerciante.

-Ei, talvez eu aceite sua proposta- Quando o homem virou-se pra ela, Talia puxou as espadas e enfiou uma no peito do comerciante. - Alguém tinha que foder com você, desgraçado.

Quando olhou pra trás, viu o Stark se juntando e matando dois dos homem de Dorath. Olhou pro rosto de Garren que parecia ainda não acreditar que ela tinha feito aquilo. Deu uma risadinha nervosa sabendo que estavam fodidos. Olhou rapidamente em volta e contou 15 homens se aproximando, alguns pela lateral e outros pela frente. Ao olhar pra trás viu uma escada que levava ao segundo andar do lugar.

-Sugiro a vocês que me sigam.- Disse Talia. Viu o olhar de entendimento dos outros e saiu correndo.

Quando chegaram em seu topo, viu alguns barris ao lado da escada. Tinham uma pequena vantagem sobre os inimigos, aproveitou esse pequeno tempo e chutou dois dos barris, vendo eles rolando pela escada e derrubando os inimigos que tentavam subir. Isso daria mais tempo pra eles, olhou em volta em busca de alguma saida.



Ver perfil do usuário

108 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 17:19

Chris

Daven elimina os inimigos com facilidade e nota que seus companheiros também obtiveram sucesso com os oponentes.

Com exceção de Sardok, restara apenas dois de seus comparas. O arqueiro se encarrega de eliminar os dois. Rapidamente saca uma flecha de sua aljava e atinge o primeiro inimigo na garganta, e o segundo que estava um pouco mais longe, no peito, para ter mais chances de acertá-lo.



Ver perfil do usuário

109 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 17:39

Luckwearer

@Babi escreveu:- Bem, eu não o tenho e mesmo que tivesse não entregaria, se vale tanto. Foi bom ver uma beleza em meio a tanta feiura, apesar da burrice, mas já deu, adeus senhorita, caso mude de ideia e queira foder, estou aqui para isso.

Talia parou por um momento tentando digerir o que ele tinha acabado de dizer. Estava com raiva por aquele homem escroto te-la chamado de burra. Levantou se da mesa e olhou para os dois companheiros esperando que eles entendessem o recado. Deu de ombros e foi andando lentamente na direção do comerciante.

-Ei, talvez eu aceite sua proposta- Quando o homem virou-se pra ela, Talia puxou as espadas e enfiou uma no peito do comerciante. - Alguém tinha que foder com você, desgraçado.

Quando olhou pra trás, viu o Stark se juntando e matando dois dos homem de Dorath. Olhou pro rosto de Garren que parecia ainda não acreditar que ela tinha feito aquilo. Deu uma risadinha nervosa sabendo que estavam fodidos.  Olhou rapidamente em volta e contou 15 homens se aproximando, alguns pela lateral e outros pela frente. Ao olhar pra trás viu uma escada que levava  ao segundo andar do lugar.

-Sugiro a vocês que me sigam.- Disse Talia. Viu o olhar de entendimento dos outros e saiu correndo.

Quando chegaram em seu topo, viu alguns barris ao lado da escada. Tinham uma pequena vantagem sobre os inimigos, aproveitou esse pequeno tempo e chutou dois dos barris, vendo eles rolando pela escada e derrubando os inimigos que tentavam subir. Isso daria mais tempo pra eles, olhou em volta em busca de alguma saida.

Vocês precisam tirar 18 para sair do primeiro andar intactos.

Droenn: http://prntscr.com/9p98bx + 3
Talia: http://prntscr.com/9p98pc + 3
Garren: http://prntscr.com/9p98wh + 3

O trio virou-se para subir as escadas, avançando para o segundo andar, mas os homens viam logo atrás e não pretendiam deixá-los escapar. Droenn conseguiu desviar de um golpe e pular para os degraus, tropeçando em alguns, mas recuperando o equilíbrio. Talia tentou fazer o mesmo, mas recebeu um golpe em suas costas sentindo uma fenda profunda atravessando-a totalmente, caiu nas escadas e interrompeu a fuga de Garren que ajudou-a levantar, ganhando como recompensa um golpe rápido em sua perna, decepando-a. A Blackhand olhou para o homem gritando de dor e caindo em seus braços, pensou rápido e com toda sua força subiu empurrando-o, enquanto uma fileira de homens estava alguns centímetros longe.

- Derrube o que tiver aí em cima! - gritou desesperada para o Stark.

Você precisa tirar 19 para consegui-los ajudar a tempo.

http://prntscr.com/9p9elq + 3


Droenn olhou em volta, deparando-se com um sótão, agarrou alguns barris de cerveja e rolou-os pelo chão, esperando que conseguissem chegar a tempo. Quando a mulher finalmente conseguiu alcançar o topo, os homens que vinham logo atrás foram surpreendidos por barris rolando pela escadas, quebrando-se com os impactos regulares com os degraus e levando-os até embaixo, viram dois ou três homens machucados devido a tática: um com uma perna quebrada, outro com o pescoço quebrado e o último desmaiado com uma grande quantidade de sangue saindo da cabeça. Mas não havia tempo para pegar mais barris e os inimigos já subiam as escadas.

Vocês precisam tirar 12 para escapar dali intactos.

Droenn: http://prntscr.com/9p9gz0 + 3
Talia/Garren: http://prntscr.com/9p9h4g

Droenn encontrou uma janela pequena, mas o suficiente para que atravessassem apertados, avisou os companheiros e correu em direção à ela, acertando uma voadora com os dois pés, caindo lá embaixo e sentindo algumas costelas quebrando, teve impressão que haviam perfurado algo lá dentro, mas não pode ter certeza, apenas observou-se vomitando um jato de sangue.

Talia empurrou Garren e seu cotoco vazando pela janela, vendo-o cair ao lado do outro homem, preparou-se para pular e os viu subindo. Saltou e caiu no chão desengonçada, mas ignorou e agarrou Garren para levá-lo de lá.

Vocês precisam tirar 17 para escapar dos exploradores saindo da taverna.

Droenn: http://prntscr.com/9p9ow9 + 2

Droenn analisou a situação que estavam e mandou que a mulher corresse, esperando que viessem. O primeiro que chegou ele trocou alguns golpes e arrancou-lhe a cabeça com um golpe, esperou que o próximo viesse e estocou a lâmina em seu peito, deixando que caísse ao seus pés, mais um veio e logo observou que todo restante vinha atrás, agarrou a espada do cadáver, acertando a barriga do mais próximo e obrigou-se a correr para qualquer lugar seguro. Correu muito, até que encontrou-se num engano com Serena correndo também, colidiram, cada um caindo pro lado oposto.

- Serena? - exclamou surpreso.

- Que diabos? - ela parecia tão confusa como ele, até que percebeu a situação que estavam e continuou: - Kyan e Brynn disseram que viram os Skullhead indo em direção à onde vocês estavam!

Droenn olhou para trás, vendo os exploradores aproximando-se, não teve tempo de processar a informação dada pela garota e a levantou.

- Nosso problema são eles, agora.

- Não de igual para igual - disse Brynn, surgindo de repente com Kyan ao seu lado.

Os inimigos pareceram amedrontar-se com o crescimento do grupo, mas continuaram a rota para atacá-los.

Talia/Garren: http://prntscr.com/9p9pfa

Talia agradeceu o companheiro pela ajuda, temendo que o heroísmo o tivesse matado, rezava para que não. Continuou afastando-se do local com a perna de Garren vazando, e foi aí que notou o erro que levaria à sua desgraça, o sangramento do homem criava uma trilha para a seguirem. Olhou para trás, não vendo nenhum homem e entrou num corredor, pretendia sair das ruas principais e ganhar tempo para colocar algo no cotoco do homem.

- Você precisa me soltar, se não vai morrer - murmurou ele, enquanto ela amarrava um pedaço do manto em seu cotoco.

- Não vou abandoná-lo - disse determinada, e por ironia do destino, escutaram vozes no fim do corredor e viraram-se para vê-los adentrando-o.

- Vai! - gritou, empurrando-a para longe e erguendo-se com apoio da parede, tirou sua espada e mal podia mirá-la neles, sua mão não possuía mais firmeza e balançava como se fosse um velho.

Ela sabia que não conseguiria levá-lo sem que fossem alcançados e virou-se, furiosa com si mesma, correndo para longe. Escutou alguns gritos e antes que saísse do corredor escutou o conhecido som de uma lâmina atravessando um homem. Talia fugiu, atravessando ruas e becos, pensou que havia escapado num certo momento e deparou-se com eles a cercando em um dos becos, tentou enfrentá-los, mas não conseguiu e só pode defender-se de alguns golpes, até que foi desarmada e poupada da morte para que começasse ser espancada. Perdera completamente a noção do tempo após ser levada ao chão e os chutes baterem contra seu corpo, principalmente seu rosto, só acordou quando os viu abrirem uma porta qualquer e a jogarem no chão. Alguém agarrou seus cabelos e acertou seu rosto no chão até que perdesse a consciência novamente, sentiu suas roupas sendo rasgadas e o desespero começou dominá-la, adivinhava o que aconteceria em seguida. Pegou sua adaga e enfiou na garganta do homem com os restos de sua roupa na mão, matando-o e enfurecendo de vez os outros dois homens, um deles acertou-lhe novamente no rosto e o outro pousou sobre ela, desamarrando o calção. Gritou desesperada mais uma vez, esticando seu braço para pegar a adaga que haviam chutando de sua mão, mas o ato já havia começado e a única coisa que podia fazer é aguentar. Mas ela tinha sangue de uma guerreiro, ela fazia parte da família de Jan Baratheon, filha de Edren Baratheon e membro antigo da extinta Companhia Blackhand, não havia nascido para desistir. Enquanto o homem deliciava-se com seu corpo, ela esperou que seus sentidos voltassem ao normal e viu que o outro alisava as calças, jogou-se no estuprador e mordeu sua garganta, arrancando um pedaço e cuspindo fora, quando ele caiu em seu lado, pulou sobre ele e mordeu-lhe o rosto, arrancando sua bochecha e jogando-a para longe também, enquanto ele gritava de dor. O outro que alisava o pau, assustou-se e sacou sua espada, mas outra o matou.

- Talia! - exclamou Brynn, tirando seu manto e jogando sobre ela. Fitou seu rosto catatônico, coberto de sangue, perguntando-se onde estava Garren e por que não havia ajudado. O restante entrou na casa em seguida.





Ver perfil do usuário

110 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 17:53

Gulielmus

─ Antes de começarmos, gostaria de revelar que minha intenção é de te abater com vida, por isso, caso queira facilitar as coisas para você e para mim, solte essa espada e se coloque de joelhos... ─ o mascarado mantinha o mesmo tom de voz calmo e ameaçador.   Acredite em mim, vai se poupar de muita dor. ─ Sardok pareceu não se abalar, entregando-se a sua exagerada fúria e mergulhando contra o tyroshi, dando início a uma curta troca de golpes. O caveira usava uma técnica agressiva de combate que tinha seu foco em tentar subjugar o oponente em meio a pesados ataques, prendendo-o a uma postura defensiva. Algo fácil de se contornar com as esquivas e contra-ataques executados por Shaddan, que açoitava o rival com a ponta de sua lâmina, abrindo finos cortes de onde filetes de sangue vazavam. 

─ Lazarento desgraçado do inferno! ─ Sardok urrou de ódio e recuou alguns passos, pousando a mão livre em um dos cortes. As veias em sua testa pulsavam em fúria, enquanto um suor frio descia, empapando a barba escura. 

─ É sua última chance, jogue sua arma no chão e fique de joelhos. ─ mais uma vez, o tyroshi pediu em vão, recebendo a resposta acompanhada de um ataque.

─ Eu só te desejo uma coisa, desgraçado: UMA MORTE TERRÍVEL! Uma morte infernal pra você! ─ e avançou, botando o peso do corpo em um voraz golpe giratório, seguido por mais três porradas que foram habilmente defletidas pelo aço bravosi. Shaddan se aproveitou da brecha que surgiu após aquela falha para tomar a ofensiva, adiantando-se contra um quinto ataque do caveira ao se abaixar. Lhe chutou o joelho com violência e finalmente o derrubou com uma pesada pancada no rosto, usando do pomo para lhe quebrar quatro dentes da boca que voaram como lascas.

─ Agora chega! Você vai começar a falar, ou vai começar a perder dedos. ─ vociferou o tyroshi, chutando a espada do inimigo para fora de seu alcance e torcendo uma das mãos que tentavam puxar sua perna. ─ Mas antes... ─ forçou o pulso de Sardok até ouvir o osso se deslocar, repetindo o mesmo procedimento com a outra mão enquanto o joelho pousado em seu peito lhe tirava o ar. 



 

Ver perfil do usuário

111 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Ter Jan 12 2016, 18:51

Luckwearer

@Chris escreveu:Daven elimina os inimigos com facilidade e nota que seus companheiros também obtiveram sucesso com os oponentes.

Com exceção de Sardok, restara apenas dois de seus comparas. O arqueiro  se encarrega de eliminar os dois. Rapidamente saca uma flecha de sua aljava e atinge o primeiro inimigo na garganta, e o segundo que estava um pouco mais longe, no peito, para ter mais chances de acertá-lo.

Você precisa tirar 1 para matar o primeiro.

http://prntscr.com/9pbake + 3


Daven percebeu os dois restantes aproximando-se do mascarado para matá-lo enquanto ocupava-se com seu líder e avançou, subiu em cima da mesa e pulou soltando uma flecha na garganta do homem que caiu chão morto.

Você precisa tirar 11 para matar o segundo.

http://prntscr.com/9pbexi + 3


Rolou no chão, parando em frente ao segundo que paralisou ao vê-lo surgindo do nada e antes que pudesse fazer algo, acertou-lhe uma flecha no peito a queima roupa, matando-o imediatamente.

@Gulielmus escreveu:─ Eu só te desejo uma coisa, desgraçado: UMA MORTE TERRÍVEL! Uma morte infernal pra você! ─ e avançou, botando o peso do corpo em um voraz golpe giratório, seguido por mais três porradas que foram habilmente defletidas pelo aço bravosi. Shaddan se aproveitou da brecha que surgiu após aquela falha para tomar a ofensiva, adiantando-se contra um quinto ataque do caveira ao se abaixar. Lhe chutou o joelho com violência e finalmente o derrubou com uma pesada pancada no rosto, usando do pomo para lhe quebrar quatro dentes da boca que voaram como lascas.

Você precisa tirar 20(18 + 3) para concluir essa ação.

http://prntscr.com/9pboyt + 4


- Torture-me o quanto quiser, a única coisa que sairá de minha boca será a realidade da vida de vocês: são pragas que se não morreram, vão matar nós, vão matar nós! - berrou Sardok enquanto seus pulsos eram quebrados.

Daven comemorava seus acertos numa dança da vitória quando ouviu guardas se aproximando. Shaddan desacordou o homenzarrão e pediu ajuda dos outros dois, enquanto segurava pelos braços, os outros dois asseguraram-se de cada perna. Passaram por milhares de ruas com o desmaiado, avisando os guardas distraídos que era um amigo bêbado que se meteu em brigas e precisava de um meistre.





Ver perfil do usuário

112 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 00:44

Luckwearer

Percorreu as várias áreas da cidade livre mais rica e poderosa do continente com tamanha velocidade que as pessoas viam apenas uma mancha azul mergulhando nas multidões à frente e logo em seguida um grupo pequeno de pessoas o seguindo. Com a mulher catatônica em seus braços, Daeron esbarrou e desviou de inúmeros viajantes e moradores, derrubando algumas lojas e respondendo os gritos de indignação com olhares furiosos. Olhava para o rosto inexpressivo da mulher algumas vezes, vendo-a olhando a paisagem e algumas vezes levantando para observá-lo fitando-a, naquele momento pouco se importava com o sangue dela ou com o que acontecia em volta, não ligava se os mercenários sumiriam com o ovo ou se aquele trupe loucos para matar o prisioneiro o perseguia, pela primeira vez depois de um longo tempo o homem fez um ato altruísta, pela primeira vez sabia o que esperaria dele quando chegasse em Westeros, teria que lidar com injustiça e preocupar-se com seu povo a ponto de morrer por eles, pelo menos era sua visão de um bom rei. Encontraram-se com o trio sumido carregando um homem desmaiado, não o reconheceu diferente do restante que pareceu bem surpreso ao vê-lo, principalmente o prisioneiro que estranhamente pareceu formar um minúsculo sorriso de canto ao ver sua espada bizarra. Atravessou a Grande Ponte empurrando todos os que atrapalhavam seu caminho, os que vinham atrás apenas podiam vê-lo atravessar o lugar infestado como uma lâmina atravessa o corpo do inimigo. Gritou para que alguém agarrasse a bolsa cheia de ouro que carregava na cintura e jogasse no velho que vendia cavalos, pagando-o o dobro do que pegaram. Subiram toda encosta cheia de vegetação, aproximando-se cada vez mais do portão norte. Numa certa clareira encontraram o grupo de cavaleiros que ficara escondido para não andarem num número gigantesco dentro da cidade.

- Leve-a, Kyan - ordenou Daeron sem perceber que usara seu nome pela primeira vez. - O mais rápido que puder.

- O que aconteceu com o ovo? - questionou um dos cavaleiros.

Brynn pareceu acordar com a pergunta, lembrando-se do porque estarem ali, do porque haviam sofrido tanto. Foi aí que lembrou-se do melhor amigo.

- O que aconteceu com Garren? Onde ele está? - perguntou para o Stark, procurando-o em volta, pensara que juntara-se ao grupo em algum momento.

Droenn olhou para Talia sendo colocada em cima de um cavalo e depois de horas catatônica a mulher olhou-lhe claramente desesperada, algo que ele também entendia, afinal por causa deles o melhor amigo do Targaryen estava morto.

- Na taverna dos Exploradores, o líder insistiu que não possuía o ovo e quando tentamos sair, eles nos encurralaram - explicou Droenn.

O olhar lilás que ganharam fora de pura desconfiança, mas que logo virou pena ao ver a mulher naquela situação. Brynn não soube como reagir a morte de seu melhor amigo, nem mesmo seu corpo poderia enterrar ou cremar como a mulher vermelha preferiria, então escolheu acreditar nas palavras do Stark e exclamou:

- Vocês peguem os cavalos e vão embora. O restante irá comigo atrás do maldito ovo, eles ainda devem estar nas redondezas.

- Senhor, não acha que é melhor deixar isso para outro dia, estamos numa situação precária e numa região que pouco conhecemos.

- Não sairei daqui sem o maldito ovo. Garren não morreu em vão, iremos querendo ou não! - gritou para que todos escutassem, subiu num cavalo e acompanhado de todo seu grupo sumiram nas árvores. O grupo de mercenários apenas observou-lhes afastar-se, não era a luta deles e pouco apoiavam a ideia de perseguir os caveiras naquela região.

Serena olhou o irmão afastando-se, não sabia o que pensar daquela escolha, era um homem bom, mas seu temperamento arruinava sua pessoa. Só pôde rezar para que nada acontecesse de errado e ele voltasse para eles sã e salvo. Brynn adentrou no castelo algumas horas depois deles, ensaguentado e ferido, com dois ou três homens dos vários que o acompanharam. Não havia sinal do ovo.



Última edição por Luckwearer em Qua Jan 13 2016, 17:31, editado 1 vez(es)




Ver perfil do usuário

113 Kyan #10 em Qua Jan 13 2016, 09:41

Josh

Matando os dois homens, lembrou-se de quanto tempo havia passado desde a última vez que tinha lutado naquele estado. O sangue que derramou o fez bem, deixando o corpo mais preparado para outros ataques. Menos cinco idiotas no mundo, pensou, quando virou-se para os Targaryen.

— A questão aqui, prisioneiro, não é crer em nenhum dos lados, mas sim minha idiotice de trazer alguém que tentou assassinar os Freets para uma cidade populosa como essa. Mas o que eu podia fazer, eu imaginei que você era alguma pessoa vingativa a ponto de ser estupido, nunca imaginei que você seria um dos malucos que paga de justiceiro num continente de estupro e assassinato - e pulou pela janela, algo que Serena fez em seguida.

Você ainda não entendeu o por que faço isso, Brynn. Não faço justiça. Seguiu os irmãos, sem respondê-lo. Corriam com o máximo que podiam pelas ruas de Volantis, com Serena sempre na frente mostrando que era muito ágil. Em um certo momento, um dos homens que os perseguiam pulou em cima do Targaryen, que felizmente conseguiu afastar a adaga antes que fosse morto. No entanto, o inimigo ainda persistia em estar por cima dele, o que não durou muito tempo quando Kyan espetou sua espada na cabeça do perseguidor. Ajudou Brynn a se levantar e continuaram a fuga.

Pararam atrás de um jardim para se esconderem e recuperar o fôlego. O homem que antes havia começado a perseguição apareceu por ali, pedindo informações sobre os três, mas nada conseguia, fazendo-o voltar.

— Bem, parece que o prisioneiro sabe fazer algo além de foder os outros - murmurou Brynn, resfolegando.

Kyan não respondeu, estava mais preocupado em observar o lugar. Um rosto familiar fez puxar o Targaryen de volta para o esconderijo quando este estava prestes a sair. Thoren Skullhead caminhava com mais doze homens na rua, carregando um grande baú que provavelmente levava o ovo. Estavam em direção ao centro da cidade.

— Prisioneiro, precisamos nos juntar com o restante de nossos companheiros urgentemente. Tenho um mal pressentimento que eles ainda não se encontraram com os Exploradores.

Assentiu com a cabeça e seguiu-o pelo caminho. Corriam na mesma velocidade de antes, com Serena sempre na frente. Em um momento, viu a garota esbarrar-se em alguém. Brynn e Kyan correram rápido para ajudá-la, mas perceberam que era Droenn.

— Nosso problema são eles, agora - dizia Serena para o Stark.
— Não de igual para igual - Brynn respondeu.

Os homens que perseguiam o conhecido ainda insistiram em atacá-los, mas foram mortos com uma grande rapidez. Os quatro agora corriam pelas ruas à procura de Talia e Garren, que haviam se separado do jovem Stark.

Ouviram barulhos em uma casa que instigou-lhes a investigar se envolvia os dois desaparecidos. Um grito que parecia ser da garota Blackhand confirmou que tinha algo relacionado.

— Talia! - exclamou Brynn, tirando seu manto e jogando sobre Talia. O restante entrou na casa em seguida.

Surpreenderam-se quando entraram lá e viram Talia espancada e quase completamente nua, se não fosse alguns pedaços de roupas ainda no seu corpo e o manto de Brynn que foi jogado a ela. Alguns homens mortos ao redor com seus membros de fora respondiam as dúvidas do grupo sobre o que havia acontecido ali. Se Kyan tivesse chegado sozinho e com eles ainda vivos, provavelmente teria os mutilado. É por isso que eu luto, Brynn. E não vou descansar até ver o último deles engolir a si mesmo. Entristeceu-lhe ver a garota que havia lhe ajudado há dias atrás daquele jeito. Seu rosto ainda se mostrava neutro, mas por dentro sentia vontade de voltar ao trabalho, começando por Volantis.

Brynn levou Talia nos braços, correndo com o grupo pelas ruas. Após um tempo, encontraram o outro trio levando o Skullhead desmaiado nos braços. Kyan aproximou-se quando viu sua espada. Fayth, pensou, observando-a com satisfação no olhar. Avisando que esta fora sua antiga arma a Shaddan, o homem que a segurava, pegou-a quando este lhe deu e tocou sua textura novamente. Um reflexo surgia na lâmina, mas não era dele. Fechou os olhos por milésimos de segundo e embainhou a espada.

Caminharam mais e compraram cavalos, fazendo-os chegar onde outros cavaleiros se escondiam. Brynn virou-se para o homem de roupas negras.

— Leve-a, Kyan - ordenou Brynn. - O mais rápido que puder

Kyan assentiu com a cabeça e levou o corpo de Talia com facilidade nos braços. Sentiu-a quente e um diferente odor a circundava, mas não atrapalhando em nada seu carregamento.

— O que aconteceu com o ovo? - questionou um dos cavaleiros do Targaryen.

Brynn ignorou a pergunta. Parecia estar refletindo sobre outra coisa.

— O que aconteceu com Garren? Onde ele está? - ele perguntou para o Stark, procurando-o em volta.

Kyan colocou Talia por cima do cavalo, sem dificuldades, como se o corpo da garota pesasse como o de uma criança. Conseguiu perceber os olhares que a Baratheon e Droenn trocavam. Não sabia o que poderia significar, além de que Garren estava morto.

— Na taverna dos Exploradores, o líder insistiu que não possuía o ovo e quando tentamos sair, eles nos encurralaram - explicou Droenn.

Dorath atacar alguém por perguntar sobre o ovo? Não faz sentido. Os Skullhead não chegaram lá antes, o que quer dizer que os Exploradores ainda não sabiam sobre o tesouro. Será que o homem que conheci há alguns anos havia mudado para um velho louco?

Voltou-se ao ambiente quando ouviu Brynn falar algo.

— Vocês peguem os cavalos e vão embora. O restante irá comigo atrás do maldito ovo, eles ainda devem estar nas redondezas.
— Senhor, não acha que é melhor deixar isso para outro dia? Estamos numa situação precária e numa região que pouco conhecemos - respondeu um dos cavaleiros.
— Não sairei daqui sem o maldito ovo. Garren não morreu em vão, iremos querendo ou não! - gritou para que todos escutassem, subiu num cavalo e acompanhado de todo seu grupo sumiram nas árvores.

Kyan entendia o homem, mas sua impulsividade poderia matá-lo. Não se surpreenderia se aquela fosse a última vez que vira Brynn. Cavalgou em silêncio, sempre observando a natureza à sua volta. Mais tarde, no castelo, o Targaryen havia voltado, ensanguentado. Kyan observou-o de braços cruzados, encostado na parede de pedra, longe dos outros. Viu o olhar de decepção de Brynn, sem o ovo.




 
Spoiler:

Ver perfil do usuário http://forumgeek.forumeiros.com

114 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 16:27

Luckwearer


Lembrava-se muito bem da perseguição bem sucedida, depararam-se com os mercenários afastando-se da cidade alguns quilômetros do portão norte, inicialmente haviam tirado vantagem acertando-lhes dos cavalos com golpes rápidos e mortíferos, mas logo avisados puderam organizar-se e derrubar alguns de seus cavaleiros, tudo piorou na chegada de mais deles, algo que Brynn no misto de emoções daquele dia não previu momento algum. Foram dizimados num encontro só, viu seus homens sendo perfurados e mutilados, antes que um deles fosse contra suas ordens e o puxasse para longe afim de salvá-lo daquela chacina, toda aquela região mergulhava-se em corpos ensanguentados, principalmente de conhecidos. Aquilo atormentara-lhe durante toda volta, sabia que muitos tinham família dentro do castelo, mulheres e crianças, agora viúvas e órfãos. Minha culpa, repetiu em sua cabeça até as muralhas de seu lar surgirem, um desejo ardente de virar-se e sumir naquelas árvores, fugir de explicações e da tristeza que viria logo pela frente. Esperou o portão abrir com dois ou três homens ao seu lado, observando a pequena quantia de pessoas no pátio, alguns eram os mãos negras, mas ignorou todos e adentrou dirigindo-se para o salão principal onde o conselho sempre se reunia e devia estar ali naquela hora. Poderia ter fugido dos tormentos do luto se não fosse por Dhalia interrompendo seu caminho, a grávida iniciou uma série de questões sobre o paradeiro de seu marido Garren.

- Ele está morto - respondeu. Ele está morto, refletiu notando finalmente que nunca mais veria o melhor amigo, nem mesmo poderia despedir-se num enterro, a dupla de décadas havia sumido ali, num lugar qualquer para nada, numa falha. Sentiu um peso absurdo e abraçou a mulher chorando, por mais que tentasse consolá-la, ele mesmo não sabia como reagir aquelas desgraças. Primeiro seu melhor amigo, depois mais da metade de seus cavaleiros. O que está acontecendo?

Não demorou muito para que todo castelo soubesse do fracasso daquela missão, da morte de tantos cavaleiros e principalmente do querido Garren, ninguém realmente havia culpado o Targaryen, exceto ele mesmo. Harrold caminhou nos corredores do castelo, batendo na porta do príncipe, bateu várias vezes e nenhuma delas foi respondida. Abriu por si mesmo, ignorando qualquer privacidade e recuou assustado com o cheiro horrível. O quarto estava infestado de garrafas de cerveja vazias, algumas quebradas e outras intactas, várias áreas estavam cobertas de vomito e no outro lado, encostando numa parede, Brynn virava outra garrafa. O ruivo analisou a situação do homem, além de olheiras e suas roupas manchadas de vomito, ele fedia como um porco, não devia ter se limpado há dias, algo que o não surpreendeu, desde o momento que adentrara no castelo prendera-se ao maldito quarto e nunca saíra.

- Levante-se, limpe-se e tome vergonha na cara. Você é um príncipe e futuramente um rei, olhe como está, olhe a situação desse quarto - repreendeu-lhe.

- Olha só quem chegou, junte-se a minha festa, tenho certeza que há hidromel suficiente para nós dois - disse tentando levantar-se com o apoio da parede, mas deslizou de volta ao chão e começou rir.

Harrold avançou agarrando-lhe pelas golas e jogando-lhe numa parede ao lado, quando o Targaryen tentou se erguer o ruivo pegou-lhe pela gola novamente e o subiu pela parede, pressionando-o contra ela.

- Onde e quando eu errei com você? Uma rapaz que cresceu na sabedoria, um rapaz que desde seu nascimento aprendeu sobre o mundo e suas crueldades, um rapaz nobre e bom que ajudou escravos e formou sua própria irmandade com eles, todos fiéis não pelo dinheiro ou pelo cargo, mas sim pela pessoa que representava. Eu lembro de um menino que dizia querer ser um rei adorado não pela habilidade em combate ou temido pela crueldade, apenas um bom para seu povo, alguém justo naquele maldito continente de traição e crueldade, onde não se pode confiar em ninguém.

- Bem, não é só você que está decepcionado comigo mesmo - retrucou ele, rindo. - Vamos fazer um brinde à falha do século.

- Qual o seu problema? - perguntou furioso, batendo-o contra parede.

- Eu sou louco, lembra da famosa frase da moeda? Parece que a minha caiu para o lado errado. Não importa o quão sábio eu seja, não importa meu domínio sobre estrategia ou minha honra, eu sempre me deixo levar pelo momento e mato todos que estão comigo. Eu sou louco - disse rindo como nas vezes anteriores, mas dessa vez era uma risada seca que logo cessou.

- Não, seu problema não é loucura, porque até mesmo os reis loucos mantinham-se firmes e amedrontadores perante seu povo. Você não, você não passa de uma criança assustada e conturbada, perdida no mundo tentando encontrar algum objetivo. Nos últimos anos não lembro de uma pessoa que o viu e sentiu que seu futuro seria melhor ao seu lado, você não passa confiança ou presença, apenas pena e incompreensão, ninguém o seguirá pela pessoa que representa, no máximo por dinheiro ou para traí-lo no momento certo - berrou nos ouvidos do homem de cabelos azuis, vendo-lhe fitá-lo abalado. - Eu amaldiçoo o dia que salvei você das mãos dos usurpadores, amaldiçoo o dia que tantas pessoas morreram para salvá-lo, você não passa de um pedaço de bosta que merecia ter sua cabeça esmagada por algum dos homens do Baratheon, sua existência agora é igual a nada. Seu pai teria vergonha de você. Não só ele, mas toda dinastia Targaryen teria vergonha do lixo que prosseguiu a linhagem.

Soltou-lhe, deixando que caísse no chão e continuasse o que bem pretendia. Beba tudo isso e morra logo, saiu do quarto e deparou-se com Melisandre o avaliando.

- Precisava mesmo dizer tudo aquilo? - perguntou ela apenas por curiosidade, sabia do por que e como aquilo afetaria seu príncipe.

- Conheço aquele rapaz desde que era um bebê, ajudei-lhe crescer como um homem de bem, ele é como um irmão mais novo para mim e eu um mais velho para ele. Desmond chegará com a Companhia Dourada em breve, tudo que podemos esperar é que ele organize a cabeça logo e decida que tipo de pessoa será - explicou, afastando-se com a companhia da mulher vermelha, deixando o corredor vazio.

O céu escureceu-se na noite seguinte deixando suas nuvens de chumbo iniciarem uma tempestade. A chuva forte levou todos para dentro de seus cômodos ou para os salões do castelo, deixando o pátio solitário e cheio de lama. Serena caminhou pelo salão de jantar onde as pessoas comiam sob um clima triste, não vira muitas risadas desde a volta dos sobreviventes de Volantis, seu próprio irmão trancara-se num quarto e ficara lá desde então, seus subordinados consequentemente reagiram da mesma forma, não possuíam nada parar basear-se ou apoiar-se, o castelo estava na pura miséria. Recebeu pratos cobertos de comida por fazer parte da família principal, estranhava ainda o jeito como a tratavam, como se fosse uma realeza, crescera na vida de mercenária, tanta ajuda era algo que a irritava algumas vezes. Sentou ao lado de Rhaego, finalmente agradecendo-o por salvá-la na floresta, não havia conseguido um momento certo para isso nos dias anteriores. Virou-se para o portão quando viu uma mancha azul atravessando-a, indo direto para o pátio. Estranhou, levantou-se e foi atrás, acompanhada do mercenário de cabelos azuis.

Brynn agarrou uma espada cega e fixou-se em frente à um toco de madeira em formato de pessoa usado para treinamento, acertou-lhe com porradas inúmeras vezes. Bateu como nunca, é como se a cada golpe seu braço fosse obrigado a continuar, a raiva e tristeza que escondera com bebidas começava transparecer e com o tempo cada golpe o fazia xingar e soltar uma lágrima, sabia que ninguém poderia ouvi-lo pela chuva forte. Continuou com aquilo até que finalmente cansou-se e jogou a espada para longe, acertando o pedaço de madeira com os próprios punhos gritando de fúria até que suas mãos gritassem de dor e ele desistisse daquilo. Caiu no chão e olhou para a chuva, as lágrimas ainda desciam e só pareciam piorar. Limpou seu rosto com a mão para que voltasse enxergar e tirasse o excesso de água da cara, sentiu que havia sujado-a ao ver o vermelho, ergueu a mão e viu como sangrava, totalmente ferida. Sorriu tristemente, aquilo representava exatamente o que era sua pessoa. Mesmo com todos ensinamentos e auxílios, sua fúria o fazia cometer atos estúpidos, machucando todos em volta, principalmente a si mesmo. O mundo é cercado de sentimentos e eles acabam comigo, eu sou destrutivo. Escutou alguns passos e, sem mover um músculo, forçou os olhos para direção, tentando enxergar quem vinha. Serena e Rhaego observaram toda aquela cena, vendo-lhe socar o pedaço de madeira e depois cair no chão, fitando os punhos feridos em seguida.

- O que está acontecendo com você, Brynn? - perguntou a garota, agachando-se ao seu lado.

- Você já ouviu falar sobre a famosa frase de Jaehaerys sobre a moeda? - perguntou apoiando-se com os braços, não levantando por completo. Quando ela balançou a cabeça dizendo que não, ele continuou: - Loucura e a grandeza são dois lados da mesma moeda, sempre que um novo Targaryen nasce, os deuses atiram uma moeda ao ar e o mundo segura a respiração para ver de que lado cairá. Meu lado da moeda foi a loucura, tudo o que eu faço é a base da estupidez, meu melhor amigo morreu para nada, toda minha irmandade foi exterminada por minha fúria. Eu sou a parte do mundo que devia sumir, sou o tipo de pessoa que eu mais odeio, aquelas que fazem de tudo para agradarem-se e acabam com o que há em volta. Uso esse tipo de argumento para meu ódio contra os Lannister e Baratheon, mas sou tão ruim quanto eles.

Serena observou as lágrimas descendo enquanto ele desabafava, nunca o vira naquela situação, na verdade nunca o vira com outro rosto se não o sério e mal humorado, além dos poucos sorrisos que dava, geralmente para ela e alguns companheiros. Sabia que grande parte do que ele dizia era verdade, era inegável quão destrutivo o homem era para si mesmo. Mas ela era sua irmã, conhecendo-o há pouco tempo ou não, talvez fosse seu único laço de família restante e desperdiçá-lo, deixá-lo afundar-se na culpa seria a pior escolha de sua vida.

- Eu conheci vários loucos, e você não é um deles.

- Talvez não seja, talvez seja. Isso importa? Eu cometo erros demais para alguém que planeja voltar em breve à Westeros para reconquistar o trono da família e virar rei. Que merda de rei serei desse jeito? Mal consigo me controlar em situações como essa, mal consigo controlar e tomar decisões certas para os trinta homens me seguindo, imagina as prováveis rebeliões e injustiças, além de um exército lutando por mim? A verdade é que vou conseguir piorar tudo o que Jan fez de errado, julgava-lhe um lixo, mas faço parte da categoria e sou pior. Não nasci para ser rei, nasci para ser um carrasco.

- Então amadureça, lute contra todos seus defeitos e segure sua fúria, não será fácil, mas nada na vida é fácil. Você não desistirá de ser rei, porque você é o último verdadeiro dragão desse mundo, a única esperança daquele maldito continente ter alguém decente em comando. Sim, você é coberto de erros, mas não há ninguém aqui que não possa ver como se esforça para compensá-los, como tenta ajudar os outros e ser uma boa pessoa. Desista de seu verdadeiro lar e todas as pessoas que lutaram por você, sofreram e perderam outras pessoas para cuidar de seu legado, tudo isso terá sido em vão - disse Serena, surpreendendo-lhe com as palavras. - Sua moeda ainda está balançando no ar, qual lado cairá depende apenas de você. Prometo-lhe, irei com você para a maldita guerra e se um dia enlouquecer, será eu quem enfiará uma adaga em sua garganta. Enterre essa praga chamada Brynn e deixe que meu irmão Daeron volte, o menino prometido, aquele que sobreviveu a tormenta, Rei dos Ândalos, dos Roinares e dos Primeiros Homens.

Brynn olhou-a, pensando em tudo que dissera. Lembrou-se da indignação dos abusos que os escravos sofriam, ordenando que seus poucos homens na época os livrassem, algo que estranhamente Harrold não pareceu desaprovar. Sua infância passou por seus olhos, lembrava-se dos corredores da Fortaleza Vermelha, corria atrás dos gatos, mas nunca os pegava, lembrava-se do rosto de sua mãe e de seu pai colocando-o no colo, sentado no Trono de Ferro, tinha memórias do homem e sua mão, Harrold, rindo quando ele havia roubado a coroa e colocado em sua cabeça, fugindo pela sala do trono com ela. Os ensinamentos políticos de Harrold o fizeram ter uma visão clara de que tipo de reinado participaria. As histórias de Desmond foram claras, fez questão de lembrar-se de todos os erros cometidos no passado para não cometê-los novamente. As várias religiões, principalmente a insistência de Melisandre para seguir a do deus do fogo, algo que o fez abandonar qualquer crença e criar um respeito à todas. As táticas de combate de todo o tipo, vindas de milhares de pessoas, até mesmo do capitão-general da Companhia Dourada puderam proporcionar um pouco mais de confiança em si mesmo quando fosse para guerra, sabendo que ouvir as opiniões dos outros, do mais alto cargo até o menor, era sempre um ótima coisa naquele tipo de preparação. As lutas de Trysta, ensinando-lhe manusear todo tipo de armas a curta e a longa distância para que não fosse o tipo de líder que escondia-se atrás de seus homens, mas sim o primeiro a avançar, encorajando-os. Limpou as lágrimas com o braço, levantando-se com ajuda da irmã, fechou os olhos, respirou fundo e pensou em seu futuro. Ela está certa, não posso mais continuar com toda infantilidade que represento agora. Daeron abriu os olhos, sorriu para irmã e a esmagou num abraço, virou-se para o mercenário de cabelos azuis que observava a situação e disse:

- Provavelmente você e ela sejam a única família que me resta no mundo. Eu sei que não pudemos nos conhecer nesses dias e o que eu mostrei à você de mim não é algo que encorajaria alguém a confiar, mas nossos pais eram amigos e espero que sejamos também. Eu preciso de você, meu exército chegará em breve e apesar dos dez mil homens, precisaremos de navios para atravessar o mar. Rhaego, você cresceu e passou grande parte de sua vida no mar, acompanhado de piratas, acostumou-se com aquela vida e sabe muito mais do que qualquer um como controlá-los. Dinheiro não ganha tudo, principalmente pela incerteza de sair de uma guerra, por isso preciso de uma frota confiável e você tem todos os meios para consegui-lá.





Ver perfil do usuário

115 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 19:53

Dwight

Uma tempestade desenhava-se no céu, negro como carvão. Rhaego sentava-se à uma das mesas no salão do castelo mastigando pedaços de pão, quando Serena sentou-se ao seu lado. Agradeceu-lhe por tê-la salvado na floresta, por mais que tivessem cruzado dezenas de vezes nos dias anteriores, ainda não haviam tido oportunidade para conversar. Foram interrompidos quando uma figura passou correndo em direção ao pátio, fazendo os dois segui-lo.

Brynn agarrou a primeira espada cega que encontrou e golpeou um boneco de treinamento inúmeras vezes, vermelho e com raiva, foi se deixando levar pela fúria e arremessou a lâmina contra o pedaço de madeira, socando-lhe com os próprios punhos em seguida. Rhaego e Serena se entreolharam, espantados, mas nenhum dos dois tinham coragem de tentar segurá-lo. Talvez ele precise disso, pensou consigo mesmo, lembrando-se de quando extravasou toda sua dor, e principalmente seu sentimento de culpa, num dothraki qualquer. Aquele boneco de madeira era o dothraki para Brynn, e ele precisava descarregar suas frustrações.

Esperaram até que ele se acalmasse, caindo ao chão, e só então percebendo suas presenças. Ficou parado, rígido, fitando-os. Serena agachou-se para ajudá-lo, questionando-o sobre o que se passava em sua mente. O Targaryen nitidamente estava assustado, sem rumo, e carregando todo o peso do que dera errado em suas costas. Em algumas partes, estava certo, em outras, se martirizava em demasia. Não o culpava, muitas vezes se viu na mesma situação, e o homem ainda tinha o fardo de ser Rei. Surpreendeu-se, por outro lado, com a reação de Serena, a conhecia o suficiente para saber de sua enorme capacidade, mas suas palavras para ele soavam tão maduras que ela parecia a irmã mais velha, apoiando o irmão choroso que havia quebrado um brinquedo de criança. Palavras tão ajuizadas que aparentemente o homem havia se reencontrado, enxugando as lágrimas e respirando fundo, abraçando-a. Em seguida virou-se em sua direção, com um ar bem mais ameno em comparação com a melancolia de alguns instantes atrás:

— Provavelmente você e ela sejam a única família que me resta no mundo. Eu sei que não pudemos nos conhecer nesses dias e o que eu mostrei à você de mim não é algo que encorajaria alguém a confiar, mas nossos pais eram amigos e espero que sejamos também. Eu preciso de você, meu exército chegará em breve e apesar dos dez mil homens, precisaremos de navios para atravessar o mar. Rhaego, você cresceu e passou grande parte de sua vida no mar, acompanhado de piratas, acostumou-se com aquela vida e sabe muito mais do que qualquer um como controlá-los. Dinheiro não ganha tudo, principalmente pela incerteza de sair de uma guerra, por isso preciso de uma frota confiável e você tem todos os meios para consegui-lá.

Rhaego encarou-lhe, com o cenho franzido. Surpreendeu-se pelo homem conhecer sua história. Daeron, pensou, Daeron Targaryen. Alguns segundos de silêncio se passaram.

— Eu presumo que em sua juventude você tenha tido uma educação próxima a minha, — indagou, sem dar-lhe tempo para responder. — Literatura, economia, valiríano, essas merdas. E sem dúvidas muito lhe foi dito sobre a Dinastia de sua família. Daeron I Targaryen, o mesmo nome que você carrega, O Jovem Dragão. — Prosseguiu, o homem seguramente não fazia ideia de onde ele intencionava chegar, mas ouvia-lhe com atenção. — Ascendeu ao trono e conquistou Dorne com apenas 14 anos, proeza que nenhum de seus antepassados fora capaz de alcançar, o primeiro a unificar os Sete Reinos e com tão tenra idade. — Seu olhar pousou sobre Serena, que provavelmente não conhecia nenhuma daquelas histórias. — A grande conquista do Rei Garoto durou um verão, perdera 10 mil homens para fazê-la e outros 50 para tentar mantê-la, em vão.

Respirou fundo, fitando os dois por alguns segundos. Os dois últimos Targaryens, aquilo que lhe foi ensinado a seguir quando criança. O sangue do dragão ainda pulsava.

— Sim, nossas linhagens tropeçaram uma na outra por gerações, e meu pai morreu para proteger o sangue que corre em suas veias. Eu estou disposto a fazer o mesmo, mas para isso eu preciso que você me prometa. Me prometa que não será um Rei Garoto, como o primeiro de seu nome, que ouvirá as sábias palavras de sua jovem irmã e parará de se preocupar com superstições e uma suposta mácula carregada em seu sangue. Jaehaerys foi, de fato, um Rei sábio. O que ele falhou em perceber é que não há deuses para atirar a moeda, a loucura só atinge aqueles que se acovardam frente a grandeza. Mate o menino, Daeron. Mate o menino e deixe o homem nascer. E então tomaremos o que é nosso por direito, tomaremos o trono do Usurpador, com Fogo e Sangue se necessário for. E das cinzas do que restar, reergueremos nossas casas e tradições, — o fluxo d'água ensopava seus cabelos, fazendo a tinta escorrer por suas testas e evidenciando ainda mais suas semelhanças físicas. — quem sabe então poderei pensar em lhe chamar de Rei. — Sorriu para os dois, tentando afastar o clima desolador que os rodeava.



Última edição por Dwight em Qua Jan 13 2016, 22:05, editado 1 vez(es)


Ver perfil do usuário http://filmow.com/usuario/lamb

116 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 20:38

Luckwearer

Daeron esfregou a barba até que saísse toda cor azul, olhando-se no espelho, os olhos lilás ficavam mais destacados sob o branco de seu cabelo. Lembrou-se das palavras de Serena e Rhaego, respirou fundo e seu rosto em conflito desapareceu, voltando para seriedade e ao mesmo tempo serenidade. Caminhou pelo castelo, dirigindo-se para área dos subordinados, viu as pessoas surpresas pela sua volta e principalmente a aparência, até mesmo seus conselheiros ficaram surpresos pela quebra do azul de décadas. Era manhã, horas depois de sua explosão no pátio e a conversa com os dois familiares. Parou em frente à porta de Droenn, mas seus olhos foram atraídos pela porta de Talia, atravessou uma distância considerável e bateu na mesma. Não recebeu resposta, então simplesmente a abriu, deparando-se com a mulher sentada na cama com o rosto enfiado nas mãos.

- Talia? - perguntou calmamente para que ela não se assustasse com seu surgimento repentino.

Ela pareceu surpresa com sua aparição, principalmente com sua nova aparência, mas não disse nada ou tentou locomover-se de onde estava para ajeitar-se.

- Como você está? Eu sei que é uma pergunta idiota, mas pelo que sei você não saiu do quarto desde que chegou aqui.





Ver perfil do usuário

117 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 21:22

Babi

A mulher estava em pé em frente a janela de seus aposentos. Olhava por ela como se algo lá fora importasse, sendo que nem estava vendo realmente. Estava presa dentro dos seus próprios pensamentos e tudo que conseguia ver era aquele dia.

Lembrava-se de quando atacou o comerciante. O trio tentou subir pela escada, mas antes que chegassem ao topo, Talia foi atingida por uma espada em suas costas. Garren foi descer pra ajudá-la e deceparam sua perna, a bastarda não conteve o desespero, nunca alguém tinha feito algo pra salvá-la. Gritou para que Droenn jogasse o que tivesse lá em cima e com toda a força que tinha empurrou o companheiro para sair do caminho. Viu os barris derrubando alguns homens mas mesmo assim não parecia ser o suficiente. Jogaram-se de uma janela para fugir. E então correu o mais rápido que pôde apoiando o homem em si. Por um instante tinha pensado que iam conseguir, mas notou seu erro ao ver o caminho de sangue que a perna dele tinha deixado. Quando olhou para trás não viu ninguém seguindo eles, tentou correr para um beco e ir para a rua principal.

- Você precisa me soltar, se não vai morrer - murmurou ele, enquanto ela amarrava um pedaço do manto em seu cotoco.

- Não vou abandoná-lo - disse determinada. Naquele momento ouviram vozes do fundo do corredor e quando olharam viram alguns dos inimigos se aproximando.

- Vai! - gritou, empurrando-a para longe e erguendo-se com apoio da parede. Percebia que ele mal conseguia segurar a espada.

Não queria abandonar o homem, não era algo que ela fazia, mas se carregasse ele os dois morreriam antes de sair daquele beco. Ela simplesmente correu, mesmo sabendo que teria raiva de si o resto da vida por isso. Quando ouviu os gritos e o barulho da espada atravessando o homem, lágrimas começaram a surgir em seus olhos, limpou rapidamente com as costas da mão e continuou correndo.

Em um dos becos, foi cercada pelos homens. Tirou suas espadas e trocou alguns golpes com eles, mas não conseguiu aguentar por muito tempo.  Assim que derrubaram as armas dela, começaram a espancá-la. Havia perdido a consciência com todas aquelas pancadas, até que eles resolveram arrastar ela para uma casa. Bateram sua cabeça no chão fazendo ela ficar sem consciência novamente, sentia o gosto metálico do sangue em sua boca, mas o que a acordou foi saber o que aconteceria. Enquanto rasgavam suas roupas ela teve tempo para puxar a adaga e enfiar na garganta de um deles. Isso enfureceu os outros, fazendo o primeiro acertar um soco em seu rosto enquanto o outro desamarrava o calção. Gritou por socorro mais uma vez, mas no fundo sabia que não teria socorro nenhum. Por um momento pensou em se entregar e aceitar o estupro e a morte que viria em seguida, mas então lembrou-se de onde vinha, lembrou-se que não desistia fácil assim e que se fosse pra ela morrer seria lutando pelo contrário. Esperou um pouco para que seus sentidos voltassem, viu o outro homem alisando as calças enquanto o outro abusava do corpo dela. Levantou a cabeça e arrancou um pedaço da garganta do homem que estava estuprando ela, quando ele caiu ao seu lado, ela foi para cima arrancando um pedaço da cara dele enquanto o via gritar de dor. O outro virou-se assustado e sacou sua espada, mas antes que pudesse fazer algo, outra espada entrou pelo seu peito. Ao ver o rosto de Brynn, tudo o que ela fez foi deitar-se novamente no chão.

Só se lembrava de dois momentos antes de chegar no castelo depois do ocorrido. O primeira era de quando estava sendo carregada pelo Targaryen, lembrava de ficar olhando para os olhos púrpuras dele, não sabia se estava grata por ele ter a salvo ou com medo. Até depois que chegaram no castelo não sabia realmente como se sentia sobre nada, ela estava perdida e era como se tudo dentro de si estivesse quebrado.

O segundo momento foi quando chegaram na colina e Brynn perguntou de Garren pro Stark. Desesperada olhou para o homem esperando que ele pagasse a dívida que devia a ela. Ouviu ele mentindo que os homens tinham atacado eles e por dentro sentiu uma mistura de alívio e culpa.  

Sentou-se na cama e afundou o rosto em suas mãos, tentou parar de pensar em tudo isso por um momento, mas não estava conseguindo. Tentou pensar no que faria em seguir, mas sua cabeça ainda estava presa no passado.

- Talia? - Ouviu ao seu lado alguém perguntar. Levantou o rosto e olhou para o lado com um pouco de surpresa pela presença de Brynn, nem ao menos tinha o ouvido entrar.- Como você está? Eu sei que é uma pergunta idiota, mas pelo que sei você não saiu do quarto desde que chegou aqui. - Sua expressão de surpresa sumiu e ela deu um suspiro quando as memorias voltaram a sua mente.

Queria gritar e contar toda a verdade para ele, queria que ele acabasse com tudo acabando com ela. Não gostava do fato de ter que suportar o olhar de dó que recebia de todas as criadas que entravam naquele quarto, o mesmo olhar que os companheiros a olharam quando chegou no castelo. Também não aguentava o fato de ter feito alguém morrer por ela e muito menos que ela estava com dó de si mesma.

- Não sei como eu estou e provavelmente sair não seja a melhor das ideias. - Olhou para ele se perguntando o que foi fazer no quarto dela. Naquele momento a presença dele só trazia em sua mente o que tinha causado ao seu melhor amigo. Isso fazia aquele nó que tinha na garganta crescer cada vez mais. Respirou fundo antes de se pronunciar novamente - O que houve?

Ver perfil do usuário

118 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 21:42

Luckwearer

- Eu sinto muito sobre o que aconteceu com você. É uma comparação besta, mas esses últimos dias não estão fáceis pra mim também, infelizmente além da perda de Garren, eu ainda fiz com que todos meus cavaleiros fossem para uma enrascada - começou a falar, seu objetivo não era consolá-la, apenas deixar claro que não estava sozinha naquele sofrimento. - Eu me prendi no quarto igual a você, fiquei o dia inteiro bebendo, até que me disseram algumas verdades. Em breve meu exército chegará e com eles irei para Westeros, depois de resolver algumas coisinhas antes. Você não tem mais ninguém nesse continente e se veio até aqui provavelmente não pretende voltar à sua família tão cedo, quero que vá comigo.





Ver perfil do usuário

119 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 22:26

Babi

- Eu sinto muito sobre o que aconteceu com você. É uma comparação besta, mas esses últimos dias não estão fáceis pra mim também, infelizmente além da perda de Garren, eu ainda fiz com que todos meus cavaleiros fossem para uma enrascada - Disse o Targaryen - Eu me prendi no quarto igual a você, fiquei o dia inteiro bebendo, até que me disseram algumas verdades. Em breve meu exército chegará e com eles irei para Westeros, depois de resolver algumas coisinhas antes. Você não tem mais ninguém nesse continente e se veio até aqui provavelmente não pretende voltar à sua família tão cedo, quero que vá comigo.

Ele tinha sido a primeira pessoa até então que não tinha tentado ficar consolando ela, isso a dava um pouco de alívio. Porém, quando ele citou o nome do amigo, tudo aquilo se tornou culpa. Pela primeira vez em dias lágrimas começaram a vir em seus olhos enquanto ouvia ele convidá-la para Westeros.  Levantou-se e ficou frente a frente com o homem. Estava cansada daquela mentira, queria simplesmente falar com alguém tudo aquilo e queria ser punida por ser um lixo. Queria simplesmente que ele matasse ela e acabasse com todo aquele sofrimento, queria por fim em tudo aquilo, mas não sem antes poder falar. Sentiu-se prestes a desabar enquanto seu olho se enchia de lágrima e seu rosto ia ganhando uma expressão de tristeza.

- Por que você iria querer que alguém como eu fosse pra merda daquele continente com você??? Você não faz ideia do que aconteceu naquela taverna né? - Disse ela com a voz trêmula, aumentando o tom enquanto as lágrimas começavam a correr pelo seu rosto - Foi culpa minha a morte do seu amigo, foi culpa minha eu ter sido estuprada e espancada, foi culpa minha você ter perdido o ovo e os seus homens. Tudo isso foi culpa minha e tudo isso aconteceu porque fiquei com raiva de algo que a porra de um comerciante disse. - Deu uma pequena pausa e parou de encarar o homem, abaixando a cabeça. - Eu cansei de carregar tanta culpa. então faz um favor para todo mundo e desconta toda a sua raiva em mim. Acaba com tudo isso de uma vez.

Fechou o olho por um momento e sentiu mais lágrimas escorrendo, enquanto esperava a resposta de Brynn.

Ver perfil do usuário

120 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 23:05

Luckwearer

O rosto sereno do homem transformou-se numa mistura de confusão e surpresa, mas em momento algum ódio. Lembrou-se do Stark desviando os olhos quando perguntara o que acontecera com Garren, notando como aquela mentira estava óbvia e não havia a notado pelo estado da mulher. Observou-lhe fechando os olhos e esperando que algo acontecesse, talvez uma espada atravessando seu peito ou um tapa, qualquer punição, afinal o castelo era dele e todos ali eram seus subordinados, os mãos negras pouco poderiam fazer contra sua escolha. Fechou as mãos, apertando-as com força, no fundo queria fazer algo contra ela, qualquer coisa que pudesse conter a fúria formando-se, mas sabia que começar sua reconquista exterminando a Blackhand terminaria em algo negativo e precisava do Stark para dominar o norte, mesmo que tivesse mentido também. Pegou a mulher pelos ombros e a abraçou, aconchegando-a.

- Ele era meu melhor amigo, cresceu comigo - sussurrava em seu ouvido - e planejamos minha volta para Westeros juntos, eu poderia matá-la por ter levado à sua morte, mas não farei isso, perdão é uma das primeiras coisas que terei que aprender quando virar rei. Eu mesmo acabei levando meus homens para morte e levarei mais para reconquistar meu trono. Eu te perdoo, mas se você mentir assim novamente, considerarei traição e a matarei com minhas próprias mãos.





Ver perfil do usuário

121 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qua Jan 13 2016, 23:36

Babi

Por um momento esperou que ele ficasse com raiva e terminasse o trabalho que aqueles homens começaram, esperou que ele a matasse por tudo aquilo que tinha acabado de falar. Em vez disso, ele fez algo muito diferente, puxou ela pelo ombro e a abraçou. Talia ficou surpresa por aquilo, não sabia o que fazer, então ficou paralisada enquanto o homem abraçava ela. As lagrimas que escorriam por seu olho agora molhavam as roupas do Targaryen.

- Ele era meu melhor amigo, cresceu comigo - sussurrava em seu ouvido - e planejamos minha volta para Westeros juntos, eu poderia matá-la por ter levado à sua morte, mas não farei isso, perdão é uma das primeiras coisas que terei que aprender quando virar rei. Eu mesmo acabei levando meus homens para morte e levarei mais para reconquistar meu trono. Eu te perdoo, mas se você mentir assim novamente, considerarei traição e a matarei com minhas próprias mãos.

Mesmo depois da ameaça tinha sentido que um peso foi tirado de seus ombros. Por ele ter perdoado ela fez com que chorasse mais. Não sabia o que dizer ou pensar daquilo, mas pela primeira vez não estava pensando nos piores momentos que tinha passado ou em como sentia dó de si mesma. Colocou os braços em volta do corpo de Daeron o abraçando também. Demorou um tempo para que finalmente conseguisse falar algo, mas por fim conseguiu.

- Eu não vou te decepcionar, prometo. - Disse tentando sem sucesso conter as lagrimas - Obrigada...por tudo.



Ver perfil do usuário

122 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qui Jan 14 2016, 00:30

Luckwearer

Caminhou no corredor, parando em frente a porta do Stark e começando acertá-la com alguns tapas, esperando que viesse. Esperou que a abrisse e mirou um soco no meio do rosto do homem, derrubando-lhe no chão com o ataque inesperado, aproximou-se e estendeu a mão para que levantasse, algo que aceitou.

- Isso é por mentir sobre o que aconteceu com Garren - disse fechando a porta, virou-se e agarrou uma cadeira, sentando-se nela e vendo o Stark fazendo o mesmo em sua própria cama. - Alguém já te explicou em detalhes o aconteceu durante a guerra iniciada pelo seu pai? Bem, tudo isso iniciou aparentemente pela descoberta que seu irmão era um bastardo de Jordan Lannister, seu pai foi para capital procurando justiça e Jan a negou, respondeu que não poderia fazer nada em relação aquelas acusações sem sentido e que a mulher já havia morrido a muito tempo para que uma traição fosse considerada. Jordan é importante demais no reino, disse ele. A questão é que Joran não aceitou aquilo bem e procurou justiça com suas próprias mãos, reuniu seus vassalos e voltou para o sul, procurando justiça. Jordan com acusações de ter matado sua antiga esposa Tyrell teve que mover-se também, precisava acabar com aquilo logo provavelmente para que os novos rumores não misturassem com os antigos e tudo piorasse. Edam foi para as Gêmeas casar com uma Frey, lá ele e seu pai foram mortos. Enfiaram a cabeça de seu irmão numa estaca e desfilaram pela ponte rindo. Os Bolton foram escolhidos pelo Baratheon para serem os novos protetores do norte e a nova esposa de Joran foi morta, mas nunca encontraram sua criança - observou a surpresa do Stark e continuou: - Sim, uma nova criança nasceu, mas foi a única e sabe lá onde esteja. Enfim, sua irmã no momento está casada com Ramsay Bolton, um antigo bastardo que foi elevado para família. Existem muitos rumores sobre ele, dizem que sequestra meninas de pequenas aldeias para colocá-las numa floresta. Corra minha querida, você vai precisar, diz antes de enviar cachorros atrás dela como se fosse um cervo.

Daeron parou para analisar a reação do Stark, resfolegou e continuou:

- Meu exército chegará em breve e iremos para Westeros, você pode continuar nesse continente e procurar uma nova companhia mercenária ou irá comigo tirar das mãos inimigas a casa de sua família, a sua casa, salvar sua irmã e vingar todos os subordinados que mantiveram-se fieis a sua família - o Targaryn estranhamente sorriu quando terminou de falar, erguendo os olhos novamente para o homem à sua frente e explicando: - Você e eu somos mais parecidos do que pensa. Ambos fomos expulsos de nossa casa, nossas famílias traídas e nossos subordinados mortos, ambos teremos que vingá-los. Caso você aceite. Então, sim, se o sucesso nos aguardar, você será o novo lorde de Winterfell e o protetor do norte.





Ver perfil do usuário

123 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qui Jan 14 2016, 02:15

Prime

Acordou quando pancadas estouraram da porta de seu quarto. Abriu e pousou os olhos no rapaz que o esperava de fora; os cabelos agora estavam tão metálicos como uma lâmina, mas o lilás dos olhos entregaram a identidade do Targaryen. Não esperou o Stark soltar qualquer palavra e acertou-lhe uma porrada no rosto despreparado.

─ Isso é por mentir sobre o que aconteceu com Garren ─ disse, agarrando uma cadeira para si. Droenn roçou as costas da mão na boca e quando a fez voltar não viu sangue. Embora surpreso, aguardava aquele momento.
A mentira que contara em Volantis o fazia merecedor de tal atitude. Quando lhe foi perguntado de Garren, parte dele gritava pela verdade. Olhava Talia, olhava Brynn. Uma vez a verdade dita, o príncipe poderia fazer qualquer loucura com os dois, envolto de todo o desespero e aflição. As palavras “Garren morreu por minha culpa” subiam-lhe pela garganta, mas o Targaryen poderia matá-lo ali mesmo, e então de nada adiantaria poupar a companheira. E você Stark, vai ficar me devendo uma, Talia certa vez dissera. Ainda assim, seria sábio driblar seus princípios e acovardar-se como um fraco? Durante todo o trajeto de volta ao castelo refletiu sobre aquilo, e no momento que fitou Brynn, recém chegado, sem o ovo e com poucos homens, amaldiçoou a si próprio eternamente.

Pôs-se a sentar na beira da cama, dando ouvidos atenciosos ao Targaryen, que contou-lhe sobre sua família, sobre como foram exterminados e sobre uma nova criança. Nova esposa de Joran? Permitiu-se um espanto momentâneo. Perguntava-se se o rapaz dizia-lhe cada detalhe para vê-lo sofrer ou esclarecer as coisas de uma vez por todas.
─ Enfim, sua irmã no momento está casada com Ramsay Bolton, um antigo bastardo que foi elevado para família. Existem muitos rumores sobre ele, dizem que sequestra meninas de pequenas aldeias para colocá-las numa floresta. Corra minha querida, você vai precisar, diz antes de enviar cachorros atrás dela como se fosse um cervo ─ disse Daeron. A boca de Droenn retorceu-se repleta de ódio. Engoliu, deliciando-se com um breve sabor de vingança. ─ Meu exército chegará em breve e iremos para Westeros, você pode continuar nesse continente e procurar uma nova companhia mercenária ou irá comigo tirar das mãos inimigas a casa de sua família, a sua casa, salvar sua irmã e vingar todos os subordinados que mantiveram-se fieis a sua família ─ sorriu ao terminar. ─ Você e eu somos mais parecidos do que pensa. Ambos fomos expulsos de nossa casa, nossas famílias traídas e nossos subordinados mortos, ambos teremos que vingá-los. Caso você aceite. Então, sim, se o sucesso nos aguardar, você será o novo lorde de Winterfell e o protetor do norte.

O Stark deitou o olhar no chão para respirar e balançou a cabeça.
─ Eu falhei, não devia ter mentido. Na verdade, devia ter parado a moça, qualquer tolo o faria. Sei que não é suficiente para curar todos os rasgos feitos em seu coração, mas dou-lhe minhas insignificantes desculpas ─ lamentou, encarando o rapaz. ─ De fato, temos alguns inimigos em comum. Desta vez eles não triunfarão. Marcharei fiel para o outro lado do mundo, vingarei minha família e a devolverei o norte, pois o inverno está chegando sobre Westeros, e você vai lançar os primeiros sopros.



Ver perfil do usuário

124 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qui Jan 14 2016, 13:01

Luckwearer

Encontrou o quarto do mascarado no final do corredor, direção oposta do quarto dos anteriores, o céu alaranjava naquela altura. Bateu esperando que abrisse, deparou-se com o homem vestido do padrão de sempre, um manto tampando todo seu corpo, exceto a região de seu rosto escondida pela máscara de prata. Quando conseguiu entrar no quarto, disse:

- Você não me parece um homem de muitas palavras, então serei direto para poupar-lhe tempo. Meu exército chegará em breve e irei com eles para Westeros reconquistar meu trono. Eu preciso de todos guerreiros que puder e sua vitória contra o Khal em Qohor não é pouco famosa.





Ver perfil do usuário

125 Re: #Mesa 003 - Fire and Blood em Qui Jan 14 2016, 15:41

Gulielmus

Desde que voltou da missão em Volantis, o mascarado retornou para sua habitual e discreta rotina, preferindo as noites para perambular pelos interiores e exteriores do castelo, conhecendo melhor a criadagem e as castas mais baixas de moradores, se certificando que a organização do local estava em dia. Entre os companheiros, só teve uma conversa mais longa com Kyan na noite passada, quando o encontrou observando os arredores da região em uma das muralhas. Comentou a respeito dos últimos acontecimentos, relembrando da primeira vez que o viu lutando nas arenas. Também o questionou sobre a história da espada, tentando puxar alguns tópicos específicos e ver como ele reagiria com cada um. O homem, porém, era difícil de ser decifrar e o tyroshi não obteve muito sucesso. Para mais tarde, planejava conversar com Droenn e tentar entender melhor o que houve com Garren, já que a história lhe pareceu um tanto quanto mal contada. Agora, deleitava-se na leitura de um interessante exemplar que encontrou na biblioteca, em meio a um amaranhado de calhamaços igualmente fascinantes. Foi interrompido por algumas batidas na porta, que não tardou em atender.

─ Vossa Graça, a que devo a honra de sua visita? ─ já imaginava que alguma hora Daeron viria lhe procurar, só não esperava que fosse ver seus cabelos platinados tão cedo. Deixou que entrasse e o escutou atentamente: 

─ Você não me parece um homem de muitas palavras, então serei direto para poupar-lhe tempo. Meu exército chegará em breve e irei com eles para Westeros reconquistar meu trono. Eu preciso de todos guerreiros que puder e sua vitória contra o Khal em Qohor não é pouco famosa. 

─ Hm... Interessante colocação, mas você se engana ao pensar que sou um homem de poucas palavras. ─ expôs a oratória bem articulada, sempre com o mesmo tom calmo e simpático. ─ Espero que não se importe com minha ordinária acomodação... Por favor, sente-se. ─apontou para uma dupla de cadeiras que ficavam de frente para sua escrivaninha e o acompanhou, recolhendo papéis e algumas tralhas jogadas pelo caminho. Começou lhe oferecendo uma taça que encheu de vinho: ─ Talvez não seja tão bom quanto os de sua reserva pessoal, mas deve bastar. ─ se sentou à sua frente, atrás da organizada escrivaninha e separou uma taça para si, ainda não a enchendo. ─ Primeiramente, me sinto honrado pela proposta tão generosa, mas penso que minha função pode ir muito além de apenas mais um bruto em seus serviços. Posso estar sendo modesto, mas considero a derrota de Khal Ragh uma vitória duvidosa, que necessitou de uma gama de fatores para se concretizar. Obviamente não perde seu mérito, mas jamais deixei que ela me subisse a cabeça. ─ apanhou o livro repousado sobre a mesa e o guardou em um dos repartimentos da escrivaninha. ─ Meu ponto é o seguinte: eu posso e quero lhe oferecer mais. Conheço a geografia de Westeros muito bem, e digo isso de uma forma militar. Obviamente você já deve ter pessoas com esse tipo de conhecimento, mas eu estudei esse assunto muito afundo nos anos que passei na Cidadela. Lá eu aprendi muito a respeito disso antes mesmo de sonhar botar todo esse conhecimento em prática... ─ fez uma breve pausa, pensando que estaria deixando o Targaryen confuso. ─ Acho que estou me precipitando de mais, antes você precisa entender quem eu realmente sou e como eu posso te ajudar. Se estiver disposto, lhe contarei... ─ pousou a mão sob a máscara, esperando uma resposta.



 

Ver perfil do usuário

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 5 de 35]

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6 ... 20 ... 35  Seguinte

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum